terça-feira, outubro 18, 2016

Óbvio ululante

Mas proibir as doações das empresas não era a solução para todos os males?
Era tão óbvio que isto (e outras coisinhas piores, ainda a serem descobertas), iria acontecer..
E toma-lhe mais financiamento público de campanhas, pagos pelo MEU, SEU, NOSSO suado dinheirinho dos impostos!!!
Indícios de irregularidades em doações de campanha ultrapassam R$ 1 bilhão

segunda-feira, outubro 10, 2016

Então, ficamos assim combinados: 
A democracia representativa brasileira está indo foi p'ro brejo!
Em seu lugar temos a DITADURA DO JUDICIÁRIO,em que, meia dúzia de Ministros nomeados (ça va sans dire) do Supremo (não é Sr Lewandowski?) e outros juízes menos cotados (não é Sra Pollyana Kelly Alves, da 12ª Vara Federal de Brasília?) , resolvem que legislar é tarefa deles, " interpretado/fatiando" a Constituição, decidindo ao arrepio desta - até contra clausulas pétreas -, conforme lhes dá na gana!
À coté, alguns procuradores, que em vez de procurarem por justiça procuram mesmo pelos holofotes mais próximos...
Que País é este?

quinta-feira, setembro 01, 2016

Então, ficamos combinados assim:
Se uma resolução do Senado se sobrepõe à Constituição (segundo o Ministro Lewandowsky) porque não o faria também uma decisão da assembléia de condôminos do prédio da esquina?

sexta-feira, julho 04, 2008

Ah! Este clero...

Uma senhora solteira, já entrada nos anos, descobre que uma amiga engravidou apenas com uma oração que rezou numa vila próxima...
Assim que pode, a solteirona vai nessa igreja procurar o padre:
- Bom dia, senhor padre.
- Bom dia, minha filha, em que posso ajudá-la?
- Bem, padre, soube que uma amiga veio aqui e ficou grávida só com uma Ave-Maria.
- Não, minha filha, foi com um padre nosso, mas já o transferimos.

segunda-feira, maio 26, 2008

GP de Monaco : Viva a chuva!


Belíssima corrida ontem em Monte Carlo.
A pista molhada trouxe de volta o que tem faltado à F1 nos últimos anos: a incerteza do resultado até à bandeirada!
Mônaco, e a chuva, permitiram que os pilotos que são talento puro (casos de Kubica, Hamilton, Sutil, Vettel e Weber) aparecessem mesmo sem terem os melhores carros.
Massa, que fez uma corrida correta, Raikkonen, que mandou Sutil para o espaço, Barrichello e Alonso são ótimos pilotos (aliás, não existem pilotos ruins na F1), mas ... só!?

PS: Escutando o Galvão "Fala-Barato" Bueno transmitir as provas sempre termino achando que ele e eu estávamos assistindo a GPs diferentes!

sábado, maio 10, 2008

Eu também

terça-feira, abril 22, 2008

Mais um pra tchurma


Juntando-se ao ex-milico da Venezuela, ao ex-sindicalista do Brasil e ao ex-cocaleiro da Bolívia, temos agora o ex-padre do Paraguai. Mais uma para a tchurma dos ex-pobres!

Gana revisited

No último Domingo Lula posou em Gana com a comunidade dos tabom, descendentes de escravos brasileiros que emigraram para a África . Espera-se que, na volta ao Brasil, Lula pose com o pessoal do tapessimo, aquela que não recebe Bolsas, só as paga.

segunda-feira, abril 07, 2008

Os Cavaleiros de Granada e a TV-Que-Ninguém-Vê

Primeiro âncora da TV Brasil, o jornalista Luiz Lobo, 42, afirma que o Palácio do Planalto interfere no jornalismo praticado pela TV pública federal, lançada pelo governo Lula, em dezembro, com a promessa de que não seria uma emissora chapa-branca. "Existe, sim, interferência do Planalto lá dentro. Há um cuidado que vai além do jornalístico", afirma.
Lobo foi demitido na última sexta-feira, segundo ele, por ter resistido às interferências. Afirma que o Planalto controla o conteúdo das reportagens por meio da jornalista Jaqueline Paiva, mulher do também jornalista Nelson Breve, assessor de imprensa da Presidência da República. Lobo era também editor-chefe do "Repórter Brasil", primeiro e único, até agora, programa da TV Brasil. Jaqueline ocupa o cargo de coordenadora de telejornais.
Lobo diz que a "pressão" aumentou nas últimas duas semanas, quando a crise dos cartões corporativos atingiu a ministra Dilma Rousseff, com o vazamento de um dossiê, elaborado pela Casa Civil, de gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de sua mulher, Ruth Cardoso.
"Não podíamos falar em dossiê, mas em "levantamento sobre uso dos cartões". Depois, a orientação era falar "suposto dossiê'", relata Lobo.
"Todo texto sobre Planalto, Presidência, política e economia tem que passar por ela [Jaqueline Paiva]. É ela quem edita, faz as cabeças [a introdução das reportagens de televisão, lida pelo apresentador]. Existe um poder dentro daquela redação. Eu era editor-chefe, mas perdi autonomia até para fazer a escalada [as manchetes de um telejornal]. A Jaqueline muda os textos dos repórteres freqüentemente. Há muita insatisfação entre os jornalistas", afirma.
Daniel Castro, da Folha


Não esperava outra coisa desta TV Brasil!
Se não me doesse no bolso, (custa 1 bilhão por ano) até riria de mais esta pouca vergonha apedeutica: Tanto esforço e tantos salários pagos para censurar uma TV que, quando tem muita audiência, dá traços no IBOPE.

São os Cavaleiros de Granada de Cervantes que "alta madrugada, brandindo lança e espada, saíram em louca disparada, para quê?, para nada..."

Ah sim, o corolário desta ação entre amigos, que um dia vai acabar por falta de audiência, é a de algumas dezenas de cupinchas que não vão poder ser demitidos e vão ficar pendurados recebendo os seus salários (pagos por nós, é claro) sem nada fazerem!

sexta-feira, abril 04, 2008

Governar é mais difícil que discursar - afirma Lula

Está explicado porque é que ele só discursa!

Bolsas Família Fazem Bem

Se alguém ainda duvidava que Bolsas-Família, P@comícios, Dossiês, Sanguessugas, Vampiros, Aloprados, Achaques a jardineiros, Air Forces 51, Dólares na Cueca e outros portentos deste jeito PT de governar fazem bem, aqui vai uma prova inequívoca (aliás logo duas para que não restem dúvidas):






É ou não é muito melhor que botox?
Ainda por cima grátis !
(Para eles claro!- A conta dos cartõezitos corporativos foi paga por VOCÊ e por MIM!)

Se quiser certificar-se por si mesmo de como a banda toca suavemente como nuncaantesnestepaiz, pegue uma fotografia sua de há vinte anos atrás e vá com ela para a frente do espelho!

sábado, março 29, 2008

Os Lemmings

domingo, fevereiro 24, 2008

Temporão! Fala sério!

Do Ministro Temporão na entrevista ao JB que circula hoje:

Como é possível, nesse contexto de cobertor ainda mais curto do que o usual, resolver o problema das filas em hospitais?

- Eu tinha um professor há muito tempo que dizia o seguinte: a coisa mais fácil que tem é acabar com uma fila. É só dividir ela em várias filas pequenas ...

Como é isso de dividir filas?

- Muitos pacientes ficavam na fila em Bonsucesso para tentar resolver às vezes uma gripe, uma dor de cabeça, uma enxaqueca. Essas pessoas ficavam misturadas com pessoas que levaram tiro, foram esfaqueadas, que chegavam de ambulância, tudo na mesma fila, no mesmo hospital. É uma coisa inadmissível. A coisa mais óbvia que tem é encaminhar essas pessoas com casos menos graves para as Unidades de Pronto Atendimento, os postos 24 horas. O Rio hoje tem um dos modelos mais obsoletos de saúde pública do país. Está longe do padrão de Belo Horizonte, que mudou radicalmente o padrão de atendimento, implantou o Hospital da Família, reduziu o número de internações hospitalares, mudou tudo. Mas a cultura do Rio é a cultura do hospital. As pessoas acham que para resolver qualquer problema de saúde tem que ir no o hospital. Isso é um grave erro.

Quantos postos 24h funcionam atualmente no Rio?

- Quatro no Rio de Janeiro ...


Isso tudo, Ministro?
Mas, nesse caso, são 3 000 000 de pessoas por posto!
Ministro, fale sério!!!!!!!

quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Temporão rides again

De tempos em tempos, certamente porque todos os problemas importantes da sua pasta estão sobejamente resolvidos - os hospitais atendem com hora marcada, as emergências não estão superlotadas, os equipamentos médico-hospitalares estão sobrando, os profissionais de saúde têm salários tão bons que fazem fila para trabalharem na área pública, não se escuta mais falar em casos de dengue, muito menos de malária, jogam-se fígados, córneas, rins, pâncreas e corações fora porque não há mais ninguém nas filas de transplantes - o ministro Temporão cria o que o alcaide do Rio convencionou chamar de factóide!

Desta vez é a proibição de áreas para fumantes em restaurantes, bares, shoppings e outros locais fechados! Alega que não funcionam! É claro que dá trabalho estabelecer padrões que funcionem, e fiscalizar o seu cumprimento (até porque teria que ter o fiscal do fiscal...deixa pra lá!). E, como dá trabalho, é mais fácil proibir!

Não quero entrar na discussão do fumo passivo versos ativo, mesmo porque para tudo existem estatísticas e estudos científicos que podem ser brandidos conforme o interesse de cada lado dessa contenda, mas me preocupa, isso sim, o crescente, continuado, e avassalador à vontade com que o Estado resolve decidir o que é, ou deixa de ser, bom para cada um de nós cidadãos!

O problema referido pelo ministro seria completamente resolvido com a obrigatoriedade de se afixar na porta de cada estabelecimento a informação se ele aceita ou não "não-fumantes" (ou fumantes tanto faz). O dono de cada estabelecimento decide que tipo de clientes quer. Os fumantes e não fumantes escolhem se querem ou não frequentar o lugar! Simples! Sempre haverá locais sem fumaça e locais com fumaça. Se o local for tão bom, ou a companhia tão agradável, que valha a pena o sacrifício de uma hora sem fumar num estabelecimento que não o permita (ou, ao contrário, com fumaça para quem não fuma) o indivíduo frequenta o local. Senão, vai para outro que atenda às suas exigências!

Quem tem que decidir é o indivíduo! Não o big brother de plantão!

Daqui a pouco o Sr Temporão vai querer proibir sexo em motéis e hotéis para diminuir a AIDS, o consumo de carne vermelha para conter o colesterol (e de massas para diminuir a obesidade crescente), a ida à praia durante o dia para evitar o câncer de pele, prédios com elevadores e escadas rolantes para que a população faça o tão necessário exercício!
Tudo, evidentemente, com a melhor das intenções de proteger a saúde de cada um de nós!

Sr Ministro, cuide do que o governo tem que fazer (e não faz), e deixe que o que é melhor para mim eu sei decidir!